.

.

Presidente da TRGM-Tertúlia Radioamadorística Guglielmo Marconi e ________________________________ Vice-Presidente da EURAO-Organização Europeia de Radioamadores

my QSL card

my QSL card

The newest VHF+UHF tower!

Loop Quad

Loop Quad
a minha nova antena para os 20m e Qrg superiores

Quadra Cúbica 50MHz

Quadra Cúbica 50MHz
(o meu canhãozinho!)

Ver video...

(todas de construção caseira! All homebrew)

ANTENNA END_FED ou ANTENA ALIMENTADA NO EXTREMO


Não sou fã de antenas alimentadas no extremo, sejam elas de comprimento aleatório (End_Fed), de meia-onda (EFHW) ou de fio longo (LongWire com 1  l de comprimento) devido, fundamentalmente às suas caraterísticas (elevada carga no extremo do fio), às condicionantes da instalação (necessidade de terra/de contrapeso, ângulo de instalação e distância em relação à terra, ...) aos cuidados necessários para que a malha do coaxial não irradie, ao seu caráter ruidoso e (muito importante!) à direcionalidade, quase, limitada ao sentido do fio.
Para avaliar tudo isto e mais, são necessários conhecimentos que, na generalidade, os amadores não têm e aparelhos de medida adequados. 
Contudo, hoje, a Internet é um enorme poço de conhecimento e experiências para quem quer saber mais ou, simplesmente, “o porquê das coisas”. Assim o espírito do radioamador os ilumine!

Contudo, alguns fins justificam os meios!
- Descrição simplificada do projeto
Queremos levar para o campo condições de comunicação em 7023-7026khz e estamos limitados no peso a deslocar; não temos, nem tempo, nem condições de instalação e afinação de antenas no local: apenas podemos transportar um emissor QRP de CW, um rolo de fio e pouco mais; como usamos baixa potência (0,8W) não podemos desperdiça-la com sintonizadores, medidores ou fichas e outros adereços... temos de “casar” simplesmente o emissor com a antena e... rápidamente!

 Claro que necessitamos de algum material, como
  • um coaxial para a baixada (da antena ao transcetor) e de
  • um adaptador de impedância de 64:1, já que teremos no fio uma impedância à volta dos 3 mil e tantos Ohm/W e 50W no TRX.

Não temos condições para a ligação à terra, nem do uso de contrapeso (pedaço de fio em oposição à antena/ligado à malha) nem carregar com sintonizadores de antena/antenna tuner (não tenho nem uso/trabalho com antenas ressonantes!).
Precisamos de simplificar e, assim, teremos de levar feito e afinado.
Podemos comprar (bom e caro de fábrica ou montado por “comerciantes de oportunidade” ou... meter as mãos na massa!)
Afinar somos Radioamadores: “...estudo, experimentação...”! Fica bem mais barato e funciona: aprendemos e divertimo-nos a fazer.
Aqui fica a lista do material necessário:
  1.  1 toroide 114-43;
  2.  2m de fio esmaltado 0,5mm
  3.  1 condensador de 120pF 1000V
  4.  1,20m de coaxial 50 W (eu usei RG174)
  5.  1 parafuso com porca de orelhas;
  6.  1 placa de acrílico/plástico e 4 cintas de serrilha;
  7.  1 ficha para ligar ao E/R e
  8.  20,50m de fio (eu usei o que tinha: 0,5mm multifilar).


 Construção do transformador de impedância

1.     Dobre 10cm do fio, sobre o restante e torça até que fiquem bem enrolados;
2.      Dê 2 voltas da parte entrançada no toroide. Deixe as 2 pontas e continue a enrolar, apenas, o fio único até concluir 8 voltas (do fio único);
3.   Encaminhe o fio para o lado oposto do toroide e dê mais 8 voltas ao contrário;
4.      A ponta do fio prenda/ligue ao parafuso.
5.    As pontas que deixou no inicio ligue, a entrançada ao vivo do coaxial e a ponta de fio único à malha.
      Solde (uma ficha é mais "perdas" a somar!)

A “apresentação” é a gosto! (chapa de acrílico/caixa bonitinha/ lata da graxa... tem muitas ideias na Internet)

Vamos afinar...

Pendure o transformador a 2m de altura (para que o cabo desça, na vertical, ao transcetor) afastado de obstáculos (prenda com uma corda para um lado, antena para outro cf. imagem). Prenda a outra extremidade do fio (antena) com uma corda para poder baixar/subir.

Esteja ciente de que a variação, em altura, influi na ROE (proximidade da terra/obstáculos  e no ângulo de fogo/direcionalidade (eu deixei a 5m de altura, em terra=experiência de “outras batalhas”). A afinação é feita no comprimento do fio/antena (encurtando).


O resultado?!?

Note que:

- este resultado corresponde às medidas indicadas. Se optar por outro material (toroide/secção de fio/comprimento ou tipo de coaxial, ...) o resultado será diferente.
-  a mesma antena não funciona exatamente igual em dois lugares diferentes devido às condições de instalação, mas... andará lá próximo!


Assim, é só chegar ao campo, prender as duas pontas e...  emissor no ar!

O custo?!? – Insignificante! O preço de um toroide (3/5€ no eBay) e um retalho de fio da sucata!



Mãos à obra e... divirtam-se!

73 from

 José Machado



Es'hail2: Antena para 2.4GHz

Comentava, há dias, um colega radioamador (militante!) que desde o aparecimento do hail2 o preço das antenas disparou, os stocks na UE esgotaram e os preços ultrapassaram os limites do concebível.
Foi um desafio e proporcionou-me uma tarde "bem passada", com recurso à sucata e onde o gozo da construção/afinação foi (muito!) maior que o custo do material (insignificante...).
Disco: 14cm
Comprimento: 14,37cm
Ganho: 10,27dBi
Calculadora recomendada: http://jcoppens.com/ant/helix/calc.en.php 
Disponham.




Novo mastro em CT1BAT

A fim de melhorar as condições de E/R nas bandas de 2m, 4m, 70cm, 1,2GHz, 2,4GHz e 5GHz projetei um mastro, auto-sustentado, com carro elevatório.
Feitos os planos, o que pensava ser fácil (tipo, justar e pagar) valeram-me alguns dias de companhia ao serralheiro, marca aqui/solda ali, Lol. Mas foi uma experiência enriquecedora!
E chegou o dia da coisa ir para o ar... 9 metros de tubo galvanizado 100x100, 3mm de parede, mas... a grua não passava debaixo da varanda por... 8cm!!! Valeram os amigos e a experiência do Sr Franklim: "- Toda a gente aqui a levantar e NINGUÉM PÁRA". Apoiado nos primeiros dois parafusos chumbados num bloco de 1 metro cúbico de betão, o mastro começa a levantar (NINGUÉM PÁRA grita o Franklim!) e, quando chega à vertical (agora devagar...) e [TRAK] o mastro encaixa nos oito parafusos!
Depois foi uma semana de montagens, substituir cabos, afinações do motor, carrinho, rotor, estação meteorológica, caixa de chegada, terras e comutadores, câmara de video e algumas antenas (as de competição hão-de vir da Serbia!).
E, assim,nos vamos divertindo!



Bobines: como medir a frequência de ressonância com um analisador?

Normalmente os analisadores não trazem as bobines necessárias à medição da frequência de ressonância das bobines/traps. Algumas marcas têm, mas custo dinheiro.
O Gid Dip Meter ou dipímetro, tão útil a quem trabalha com antenas ou linhas de transmissão é considerado, por muitos, como que um instrumento em desuso!
Ao trabalho.
Tem um medidor e precisa conhecer a frequência de ressonância de um trap/bobine para a antena que está a construir?
Mãos à obra.
Material: 1 PL259 ou N + 1 tubo de plástico 0,8mm+ 1/2 metro de fio 0,5mm
Descrição (ver imagem) : Enrole 10 voltas de fio no tubo, deixe uma ponta para soldar à massa e, a outra, passe por dentro do tubo e solde ao vivo da ficha.
Tempo de execução: 5 minutos
Custo: 2€ (1 ficha)
.
Agora, só falta medir:

Fácil e barato!
Bom trabalho e afine as suas antenas, não deixe esse trabalho para o Antenna Tuner que, esse, paga-se em potência.


Manutenção das antenas

As antenas, os transformadores de impedância e as linhas de transmissão precisam de verificação das condições de funcionamento e manutenção. Os materiais, também, se degradam.
Hoje, foi a vez da Loop de quadro de HF:
- antena, check!
- Cabo/Linha: check!
- Balun 4:1: not check.
Abrir, desmontar, limpar e refazer. Ajustar e montar de novo.
inclusive WARC (tudo abaixo de 1.1.1 SEM sintonizador)
Não uso sintonizador/acoplador/tuner... Trabalho com antenas ressonantes afinadas!
Montado e, de novo, a funcionar!








Estática

A estática é responsável por muitos acidentes e danos nos nossos equipamentos. E não é coisa de mau tempo ou trovoadas. Um dia lindo de sol, um céu sem nuvens, tempo quente e seco é ideal para "carregar" a sua antena.
Que fazer?
Dizem as normas que, quando a antena não está em uso deve estar ligada à terra.
Alguns colegas usam comutadores remotos que têm essa faculdade (quando ligado).
Outros não e
isto é possível

(e nada incomum!)

O ideal seria
a) antenas desligadas do equipamento;
b) descarregar (sem lhe pôr as mãos!) antes de a ligar de novo,
mas isto não é nada prático...

Então o melhor será usar algo que o faça por nós!
Pode comprar um dispositivo comercial à venda, na Web, por cerca de 100€ ou, se tem algum conhecimento e habilidade... faz e, certamente, fica-lhe por 1/5 do preço.
Este nasceu ontem:
Ao ligar a fonte de alimentação, que serve o E/R atua o relé e liga a antena. Ao desligar a fonte, desatraca o relé e liga à terra.
Potência não é problema (este tem 2 relés de 10A!).
Nada mais simples!
Bom trabalho.

UnUn para End Fed

Hoje há tanta informação partilhada na Web que (quase) dispensaria qualquer comentário sobre determinados assuntos.
A não ser para "descomplicar"!
Q: Qual o comprimento do fio: Ressonante/múltiplo de comprimentos de onda usados ou comprimento aleatório?
R: a escolha é sua, chame-lhe o que quiser (LongWire ou End Fed) na certeza, porém, de que se optar por um comprimento qualquer (aleatório) não há UnUn que lhe valha e vai precisar de um sintonizador de antena, como de pão para a boca!

Em alternativa, pode escolher um comprimento ressonante, adaptado às suas condições de instalação e necessidades, em termos de banda a trabalhar, ajustar o UnUn (construa-o, fica muito mais barato e será "personalizado = adaptado às suas necessidades!). Os transformadores comerciais são desnecessáriamente caros e do tipo "boca larga" para servirem  para tudo, logo a eficiência, numa banda específica, fica comprometida.
Procure informação, junto de colegas ou na internet e construa-o, vai ver que é fácil!

O UnUn da foto (que tive gosto em construir para um amigo!) foi ajustado de forma a ser utilizado num fio ressonante, com impedância entre 2.200 e 4.200 Ohm e otimizado a 18MHz de modo a que, de 3.300 Ohm no primário resulte, no secundário, uma impedância entre 40 e 75 Ohm nas faixas consignadas e, no caso, nas bandas de 3 a 24 MHz sem necessidade de sintonizador!
Bom trabalho!

NOTA: Não construo para venda. 
Não ganho dinheiro com Radioamadores. 
Se quiser colocar as mãos na massa e precisar, contacte-me que eu tenho gosto em ajudar.

LongWire para os 160m

Todos os anos é a mesma coisa. No final da Primavera, início do Verão devido às (chamadas) trovoadas de Verão, tenho de recolher a minha LongWire dos 160m que termina próximo da floresta onde, por vezes, há visita dos raios.
Este ano, um pouco atrasado, porque os dois UnUn, que tinha, foram conhecer uns Amigos que estavam a precisar deles.
Hoje, houve disponibilidade para construir um novo MLB, com uma relação de 9:1 (450𝞨 to 50𝞨).
Mais 40,56m de fio 2,5mm (entre 40,5 a 41,5m dependendo das condições de instalação e de a querer ou não utilizar nas bandas abaixo, até 24MHz SEM sintonizador).
Partilho convosco para que vejam como é fácil e barato (menos de 10,00€), sem necessidade de pagar seis a oito vezes o seu custo e, ás vezes, por uma caixa que (se fosse aberta...) faria corar qualquer OM com um pingo de vergonha na cara.




NOTA: Não construo para venda. 
            Não ganho dinheiro com Radioamadores. 
            Se quiser colocar as mãos na massa e precisar, contacte-me que eu tenho gosto em ajudar.

Longwire / End Fed antenas

Muito tem sido escrito, por quem sabe, acerca do fio longo (Longwire) e das chamadas End Fed (alimentadas no final). Sendo, aparentemente, iguais distingue-as o facto da Longwire ter, por definição um comprimento de onda longo e a End Fed um comprimento inferir e, mais ou menos, aleatório.
Em comum: dois fios alimentados num extremo com um sintonizador ou um transformador de impedância de 9:1. Acontece, porém, que que a "bendita" impedância varia, entre os 450 Ohm e uns poucos milhares em função da frequência/comprimentos de onda.
Daí que ajustar um fio (mais ou menos) longo, com um transformador estático (9:1 ou 450:50 Ohm) principalmente se quisermos ir para o campo e levar o mínimo possível (1 bateria+1 rádio+1 fio e nada de sintonizadores ou daquelas coisas que já se compram feitas e prontas a usar!)

A questão que mais frequentemente tenho ouvido: - qual o comprimento de fio para fazer as bandas todas, sem estacionárias? A resposta só pode ser: - nenhum! É sempre uma situação de compromisso, quando se pretende usar a mesma antena para 2 bandas diferentes. Mesmo para uma só banda, a altura, a configuração, a proximidade da terra ou de outros obstáculos, alteram a capacidade da antena de irradiar toda a energia que lhe é enviada (exceção feita para o "Éter" mas, que se saiba, ainda ninguém lá foi testar nenhuma antena!)

Para não maçar mais, aqui têm o objetivo deste escrito:
Imprima esta tabela trabalhada por VK6YSF (um dia vai fazer-lhe falta!)
O comprimento de fio necessário (aproximado) para que ressoe numa ou mais bandas.
Segue-se o "ajuste fino" , de preferência, com a ajuda de um analizador de antena e, para remate final é suficiente um sintonizador de 10€, vindo do Oriente que, em QRP, funciona muito bem.

 E, como o autor destas linhas não é teórico (há muitos!) não recomenda nada que não tenha experimentado, aqui fica a imagem como prova:
Antena: 20,70m de fio 0,10mm, um UnUn magnético com toroide 37-43, 1,5m de coaxial RG174. Peso: 60 gr.
Não esqueçam que usando UnUn precisa de um contrapeso.
Divirta-se!


Construir um sintonizador de antena QRP, de bolso

Nos meus tempos de rapaz, à pergunta de "- que fazes?" era costume ouvirmos: "- nada, compro tudo feito!" e continuava-se no dolce fare niente.
No radioamadorismo também, ainda hoje (ou hoje mais do que antes!) se compra tudo feito... costumam dizer: - não tenho tempo...

Conversa de cota à parte, vou mostrar como se faz (e como funciona!) um sintonizador
de antena QRP de bolso, para antenas alimentadas ao centro ou a 1/3, para levar para o campo, por meia dúzia de euros e umas horas de diversão!


Material:
     2 fichas
     1 micro-interruptor on-off
     2 condensadores variável 200pF
     2 botões
     1 toroide pequeno (p.ex.RT095-50-50)
     1m de fio esmaltado 0,5mm
     1 pedaço de fio para ligações
     1 caixa, 70x40x27 ou sup., para a montagem









Preparação:

     Enrole 25 voltas no toróide. Faça as ligações conforme o desenho. Conclua com a montagem.







Se funciona? Veja o video.





Radioamador, mãos à obra!

BalUn 6:1 para antena OCFD

A antena OCFD (Off-Center Fed Dipole) também conhecida comercialmente por Windom, Fritzel, Carolina, Buxcomm, BuckMaster, D...8010, CL-OCFD, ... é tudo o mesmo: dipolo alimentado fora do centro (OCF – OFF CENTER FED) por isso preferi chamar-lhe, em português: antena alimentada a um terço
Sobre esta antena, desde 1929, já muita gente (de valor!) escreveu.
Buck Rogers, K4ABT, radioamador desde 1940, é da mesma opinião que a antena dipolo OCF “ É a melhor do mundo!”.

Diz a história que a antena/dipolo OCF é, talvez, uma das mais estudadas/experimentadas em todo o mundo, a avaliar pelos escritos que existem a seu respeito. 
Alguns colegas me têm referido que, na Web, encontram muitos estudos sobre BalUn de 64:1, 9:1, 4:1 ou de 1:1 mas, de 6:1, pouco ou nada.
Numa busca breve, confirmei uma ou duas referências à construção de transformadores de 6:1 mas cujos projetos o meu medidor "rejeitou".
Optei por pegar na calculadora, fazer contas, construir, testar e ajustar. 
Assim, aqui deixo as indicações ara construção do BalUn 6:1, para 200Watt (à vontade) devidamente testado e afinado/equilibrado para trabalhar de 1MHz a 30MHz, sem necessidade de qualquer sintonizador, com valores de SWR abaixo de 1.1.5 à exceção dos 10M (mesmo com 1.1.7 a perda é de cerca de 6% da potência irradiada).
Aqui fica o esquema:
Material:
1 toroide ferrite FT140-43 e
2 pedaços de fio de cobre 1,5mm encapado (60cm e 70cm do vulgar fio de instalação elétrica)
e os adereços normais (caixa, SO239 e ligadores do dipolo)
Custo: <€10
e a foto:

Se acertar com a impedância, de 300 Ohm, no dipolo é só ligar o BalUn e,,, está ótima!

Se não, vai ter que variar o ponto de ataque (onde se liga o BalUn aos braços do dipolo), diminuindo ou aumentando o braço pequeno e, por consequência e inversamente, aumentando ou diminuindo o braço maior “desviamos” (embora sem linearidade proporcional) as frequências de ressonância.

Sabemos que o ponto de ataque, a secção e natureza do fio, o cabo de alimentação, a altura, o ângulo entre os braços do dipolo e as condições da instalação fazem variar a impedância e a frequência das harmónicas.
Por isso eu digo que “... os resultados serão sempre diferentes de um para outro colega” .


É isto (construção e experimentação) que dá muito gozo ao radioamador, hi, hi!

Mãos à obra!
NB: Insertion Lost aproximada: 0,03dB

Radioamadorismo

Esta página (CT1BAT no Facebook) é, apenas, dedicada ao Radioamadorismo, hobby que pratico há perto de 40 anos. Por essa razão, não partilho, aqui, outros acontecimentos, comentários ou imagens relacionados com  a minha vida pessoal ou dos meus familiares, nem coloco “likes” nas fotos dos meus amigos. É, apenas, por opção (editorial)!
Os meus amigos são “especiais”. Por isso não os aborreço com imagens do que como, bebo, ou de outras tretas...
Lendo o que escrevo alguns deles, legitimamente, interrogam-se sobre o que faz esta gente em ilhas e ilhotas mais ou menos perdidas, no cume de montes, por vezes gelados ou, mais tranquilo mas igualmente intrigante, dia ou noite dentro, sentados  à frente de uma parafernália de aparelhos cheios de luzinhas a escutar (cuscuvilhice?) ou a falar com gente que não conhecem e que não têm os mesmos padrões culturais ou religiosos ou com atividades tão diversas, da mais humilde à mais letrada?

A resposta é: -Rádio ou Radioamadorismo!
Voltamos ao mesmo... mas para quê isso? Na era da comunicação online, em que assistimos, em direto, a acontecimentos do outro lado do mundo, pela Internet, pela rede celular ou por satélite?
A resposta continua a ser a mesma: - Rádio! O gosto pela técnica, ligada ao projeto e à construção equipamentos eletrónicos, de emissão, receção ou, simplesmente de apoio ao funcionamento daqueles. O estudo das ondas de rádio, a sua propagação, os meios (antenas), as linhas de transmissão e a sua experimentação.
E para estudarem ou falarem sobre este assunto precisam de tudo isso, não podem discutir em chat ou pelo telefone?
Podemos, mas não é o suficiente e... não seria a mesma coisa!
Para nós, o Rádio é a base, o veículo de qualquer  meio de comunicação.
Já pensaste
- como é que o teu telemóvel  comunica com a torre em cima do prédio vizinho ou na berma da auto-estrada?
- como é que o teu portátil se liga à internet? Por Wifi, dirás mas... o que é isso?
- como os aviões comunicam com a torre, recebem os avisos meteorológicos, apontam ao destino, seguem as rotas/corredores, ou comunicam com os sistemas de localização (GPS)?
A resposta é sempre a mesma: - por rádio!
Então, mas depois de tanta gente ter estudado o assunto, ainda há alguma coisa para inventar, ainda por cima por gente com formação tão diversa?

 Como dizia Walter Cronkite, um dos mais conhecidos e reputados jornalistas americanos, da CBS e não só, distinguido pelo governo dos EUA como “o homem mais confiável da América”, recentemente falecido, “o rádio é à prova de tufões e terramotos e funciona sem redes de energia ou linhas telefónicas...
   

 
O rádio é o que resta, quando tudo falha.”






Então, o que fazemos, gastando dinheiro em expedições a ilhas e lugares remotos? –
- Testamos meios de comunicação (rádios, antenas e afins!).
E pelos montes, de mochila às costas, com rádios miniatura e fios estendidos? – Testamos comunicações (!!!) com baixas potências de emissão (inferiores a 10Watt), procurando consumos mínimos (na casa dos miliwatt!) para que no dia (que, esperamos nunca chegue) consigamos pedir ajuda para mim, para ti e para os nossos vizinhos, mesmo para aqueles que “embirram” com os nossos fios ou não deixam montar a antena no cima do prédio, porque... é feia.
Um abraço e, como diz um colega nosso, CT1AJQ: “tenham paciência comigo!”.
José Machado - CT1BAT 
in Facebook

Tabelas

Rádios HF

Tabela da ARRL - QST

Radios V/UHF



Tabela de Sherwood


Mais informação em http://www.ea1ddo.es/radios.html
Gracias a Máximo EA1DDO

Antena dipolo HF, dos 10 aos 80 metros (custo: 6 Euros)

Insisto que, em matéria de antenas, "está tudo inventado" e, grande parte, publicado pelos colegas que, generosamente, partilham as suas experiências como é prática no Radioamadorismo.

Por vezes, a falta de experiência ou de tempo leva a que alguns radioamadores (a quem é exigido um mínimo de conhecimentos) comprem, por algumas centenas de Euros, um pedaço de fio e um adaptador/transformador de impedância  (nem sempre de fábrica ou da melhor construção...) que não é mais do que um enrolamento à volta de uma ferrite /toroide ou de um tubo cujo custo, por vezes, se fica por meia dúzia de Euros.
Claro que são necessários alguns conhecimentos sobre antenas e/ou linhas de transmissão, mas, nada demais.

Não tem cabimento, nem há pretensões de, neste trabalho, incluir aspectos técnicos ou científicos que não estão ao alcance da maioria dos radioamadores e, ademais, tratando-se de um entretenimento. Assim, focar-nos-emos nos aspectos práticos da construção.

Hoje vou partilhar com os colegas uma antena que não necessita de sintonizador para trabalhar em 5 ou 6 bandas com valores de ROE muito aceitáveis e cujo custo foi de SEIS Euros, para usar no campo (Field Day, Sota, Bota, ...) ou em fixo, suportando os habituais 100W com adequada melhoria do material utilizado (toroide e secção do fio).

O projecto, com vários nomes comerciais, a que prefiro chamar de "antena alimentada a um terço" foi, neste caso, dimensionada para os 7.100 kHz/40 metros:
Fig.1


Características deste tipo de antena:
- baixíssimo custo;
- não necessita de sintonizador;
- rápida mudança de banda, dado não necessitar de sintonia e dispensa o transporte de mais material (tuner) para o campo;
- peso e volume insignificantes;
- baixo ruído;
- excelente nível de recepção;
- não necessita de grande altura de instalação;
- ...

Material usado (para antena de campo):
1 toroide FT-50A-43 Amidon.... €2
1 SO239 (PL de chassis)  ....... €2
20m de fio multifilar 0,5mm...... €2      Total: €6

Construção:

Balun de 6:1 (300 Ohm para 50 Ohm):
Fig.2

Dê 5 voltas, de preferência, de fio esmaltado 0,8mm no toróide. Um dos fios, que liga à antena dará mais uma volta. Faça as ligações conforme o desenho da Fig.2.

Soldei directamente na ficha, usando a furação para prender os fios para tornar a antena mais leve e barata. Pode, se desejar, inserir num caixa.

Fio: 
Corte duas peças de fio, uma com 6,70m e outra com 13,37m. (142,5/7,1=20,07m)
Em cada uma das peças deixe mais 50cm para ajustes (a impedância do balun, a altura da instalação ou a secção do fio alteram os valores).

Instalação: siga as alturas indicativas do desenho Fig.1. 
Cabo coaxial de alimentação: ao trabalhar com baixas potências, é recomendável o uso de cabo de baixas perdas (sem exageros!) p. ex. Aircell5 ou RG174 servem bem. Instale o cabo na vertical em relação à antena.

Afinação: Por mais rigorosos que sejamos nas medidas, as condições de instalação e, consequentemente, os resultados serão sempre diferentes  de um para outro colega.
Se puder utilizar um analisador de antenas o seu trabalho ficará simplificado. Senão meça a ROE/relação de ondas estacionárias no centro da banda ou na frequência que pretende utilizar. Girando o dial procure a menor ROE. Anote. Faça o mesmo em cada uma das bandas.

Fazendo uma escala vai perceber que terá (ou não!) de deslocar as frequências de ressonância. Umas arrastarão as outras.
Atente na imagem para perceber:
Fig.3
Não sendo certo que consiga, exactamente a relação de impedância de  6 para 1 (300 para 50 Ohm) no balun ou acertar com o ponto de 300 Ohm na antena, vai precisar de deslocar o ponto de ataque, aumentando ou diminuindo cada um dos braços da antena, inversamente, até encontrar a relação mais adequada e o seu medidor ler a menor ROE. Nas outras bandas haverá oscilação (embora não linear) no mesmo sentido. Assim (e como tudo!) começe por "pequenos" passos... e meça de novo, até encontrar as melhores relações para todas as bandas em que deseja trabalhar.

No fim terá resultados parecidos com este
Fig.4

sem sintonizador de antena! A utilização de um sintonizador poderá melhorar na frequência escolhida mas com eventual prejuizo das restantes e terá de sintonizar sempre que alterar a banda.
Atenção que esta é uma antena de meia onda para 40m. Logo em 80m funcionará com 1/4 de onda e 1/8 em 160m. Com potência reduzida, sobretudo em 160m, dificilmente chegará além da esquina!

Poderá. no entanto, dimensionar a antena para os 80m, se tiver espaço de instalação (cerca de 40m).

Os resultados aproximaram-se bastante das antenas que tenho instaladas (dipolos, horizontais e em V invertido, Loop e Quadra).

Bom trabalho!

Qual o melhor cabo coaxial?

Frequentemente me perguntam (apenas, porque ando nisto há algum tempo e seja suposto saber...):- qual o melhor cabo coaxial?
Costumo responder: - aquele que tiver a melhor relação qualidade/preço.
Sempre queremos o MELHOR ao menor PREÇO.
Só é possivel encontrá-lo comparando as características de cada um, nomeadamente, a Atenuação, a Potência suportada e o Factor de Velocidade. Nos dois primeiros é determinante ter em conta a frequência em que se vai trabalhar e procure, principalmente, aquele que lhe oferece uma menor atenuação da potência emitida pelo andar final do seu emissor.
Deixo-lhe um comparativo dos principais cabos comercializados na Europa.
A minha escolha é esta:
Este cabo usa fichas específicas de boa qualidade: UHF(PL) ou N.

Antena "Slinky"

Uma mola de brincar, dos anos 40, (Slinky) por GBP 6.44 + um toroide 140-43, dois pequenos pedaços de fio e uns metros de corda e temos uma antena afinável dos 10 aos 160 metros, com ROE abaixo de 1.1.5, por cerca de 10 Euros que, devido ao seu reduzido tamanho, poderá levar para o campo, num bolso, ou estender na sua varanda se tem vizinhos com intolerância aos fios no telhado.



É muito fácil de montar (não precisa de andar a cortar fio!), liga ao balun (magnético) de 9:1 um pequeno ajuste e... já está!


Em todas as situações, sobretudo quando usa pequenas potências, não esqueça que uma antena bem afinada e uma linha de transmissão adequada, são fundamentais.

Quer saber mais? Leia aqui:http://www.nonstopsystems.com/radio/frank_radio_antenna.htm

Antena portátil (dos 10 aos 40 metros)

Olá Amigos!
As antenas têm estado, um pouco, em standby, mas é altura (na Europa) de nos prepararmos para as emissões ao "ar livre". Vem aí o bom tempo, as ativações SOTA, os Field Day, etc.
Há muito projetos, na web, de antenas magnetic loop. muito técnicos, com muitas fórmulas (são importantes!) uns experimentados outros nem por isso... enfim, uma grande dor de cabeça quando, depois de tanto trabalho, o diabo da antena não funciona! Ou o OM não a experimentou (acontece muito!) ou falta algum pormenor...
Descomplicando:
desta vez, resolvemos fazer uma antena portátil, leve, fácilmente acomodável na mochila (porque se pode dobrar) sem necessidade de instalação, que nos permite emitir em poucos segundos e, já agora, que se pode usar, em movimento, no pedestrianismo.
Está TUDO inventado mas o objetivo deste escrito é partilhar a forma de fazer, barato, com as sobras de material que há, em casa, na nossa "sucata".
Munimo-nos de 2 pedaços de cabo RG213, um de 285cm e outro de 57cm, 1 SO239 (PL de chassis) e um condensador variável de 0-500pF (comprado é caro, procurem ... na sucata!) os condensadores de sintonia dos rádios velhos. Há-os duplos / triplos, perguntem a quem sabe como se aumenta a capacidade.
Faça um circulo com os 57cm de cabo e ligue conforme o esquema.
Ligue a malha ao vivo nas extremidades do pedaço de cabo com 285cm e solde-o aos terminais do condensador.

Para dar mais estabilidade, sugiro que amarre o conjunto numa placa de madeira ou acrílico (já sabem, usamos tábua de cozinha a €1 em qualquer loja chinesa, hi, hi!)

Amarre o circulo pequeno ao grande no lado oposto ao condensador.
Está pronta!
(montada ou dependurada)

(arrumar na mochila)
Fotos de construção e testes:

Gostaria do circulo perfeitinho, para fotografar e mostrar aos amigos?  Fácil. Compre 285cm de tubo de água (branco/translúcido) e passe o cabo por dentro. Funciona igual, nem melhor nem pior...) só que, depois, perde a caraterística de portabilidade (dobrar e meter na mochila) terá de carregar com uma "roda" de 90cm de diâmetro!







Para uma antena de (elevado!) compromisso... funciona!
No campo não há sintonizador automático ... nem energia para o alimentar.

Vejam os resultados, na varanda do meu shack, às 16:30 UTC a 1m da parede.



Custo da obra:
342cm de 213 (velho, destinado a chicotes) ....... €0
1 SO239 (que estava a caminho da licheira)........ €0
1 Condensador variável (dum musiqueiro velho)... €0
1 tarde de divertimento (sem preço!)

Como sintonizar a antena:
1. escolha a frequência desejada;
2. gire o condensador (tenha paciência e "dedo leve" a sintonizar, porque a banda é estreita)


ATENÇÃO:
Esta antena, mesmo com uma potência de 10W, desenvolve tensões elevadas nos extremos.
NÃO MEXER NA ANTENA, NEM PERMITIR A PROXIMIDADE DELA DURANTE A EMISSÃO